segunda-feira, 31 de março de 2008

Minha dor


A minha Dor é um convento ideal
Cheio de claustros, sombras, arcarias,
Aonde a pedra em convulsões sombrias
Tem linhas dum requinte escultural.

Os sinos têm dobres de agonias
Ao gemer, comovidos, o seu mal...
E todos têm sons de funeral
Ao bater horas, no correr dos dias...

A minha Dor é um convento. Há lírios
Dum roxo macerado de martírios,
Tão belos como nunca os viu alguém!

Nesse triste convento aonde eu moro,
Noites e dias rezo e grito e choro,
E ninguém ouve...ninguém vê...ninguém...

*Florbela Espanca*

4 comentários:

MP3 e MP4 disse...

Hello. This post is likeable, and your blog is very interesting, congratulations :-). I will add in my blogroll =). If possible gives a last there on my blog, it is about the MP3 e MP4, I hope you enjoy. The address is http://mp3-mp4-brasil.blogspot.com. A hug.

Ricardo Rayol disse...

a minha dor é uma agonia.

Maria-sem-vergonha disse...

Já te coloquei entre os meus favoritos...poesia, literatura, música, cinema, arte e paixão: alimentos para a vida, para a alma.

Lunna Montez'zinny disse...

Há de se entender a dor para se entender a si mesmo, como metáfora, como possibilidade. A dor é identificação sempre. Boa semana para sua alma.

Ps. Adoro Florbela Espanca - ela sempre foi tradução de algo para mim.