segunda-feira, 8 de dezembro de 2008

Trovas de muito amor para um amado senhor


Nave
Ave
Moinho
E tudo mais serei
Para que seja leve
Meu passo
Em vosso caminho.

Dizeis que tenho vaidades.
E que no vosso entender
Mulheres de pouca idade
Que não se queiram perder

É preciso que não tenham
Tantas e tais veleidades.

Senhor, se a mim me acrescento
Flores e renda, cetins,
Se solto o cabelo ao vento
É bem por vós, não por mim.

Tenho dois olhos contentes
E a boca fresca e rosada.
E a vaidade só consente
Vaidades, se desejada.

E além de vós
Não desejo nada.
*Hilda Hilst*

4 comentários:

Círculo Literário disse...

Parabens pela postagem!!!De excelente qualidade e sensibilidade!!
Abraço!!

Leonardo disse...

Quem será este senhor, o senhor de "todas" ou o seu senhor?

Muito bom!

paschoal disse...

Lia, obrigado pela presença lá em meu simples blog e também pela indicação do mosaico de lama.
Como gostei de ambos, já os linkei!
Apareça!
SDS

paschoal disse...

Ops...é Lilian não Lia, desculpe...hehehe!