terça-feira, 23 de setembro de 2008

Poema seringueiro


Gosto de ser do meu homem
de ser pertencente
de recebê-lo em mim
nos seringais da loucura
vem ele como se me abrisse estradas por dentro
ele com sua pistola de paz e inquietação
Amazônia distraída me deito
à doce devastação

*Elisa Lucinda*

6 comentários:

ATEFAR disse...

Que maravilha de Blog. Fiquei hipnotizada com show de slides, as músicas... Muito bom. Ah! Os poemas são ótimos, parabéns.
Até,
Nice.

Cadinho RoCo disse...

Por força do seu encanto natural eis que o poema cresce em sua textura tão tropical quanto sensual.
Cadinho RoCo

Só Eu disse...

Excelente bom gosto. É muito agradavel estar aqui no teu espaço.
Parabens e um beijinho

Deusa Odoyá disse...

Olá minha nova amiga.
passei para comnhecer seu blog.
muito linsa as imagens e parabéns.

Voltarei mais vezes.

beijos da nova amiga.

Regina Coeli.

MELISSA S disse...

Elisa Lucinda é tudo de bom.... Bjs

lili11 disse...

i don't understand this but i like the flower a lot.